Postar foto em redes sociais deixa a comida mais gostosa, aponta estudo

Agora, quem adora postar fotos de comida nas redes sociais tem um motivo plausível para foder a timeline dos seus seguidores/amigos de imagens de suas refeições.

É que os pesquisadores da Universidade de Minnesota e Universidade Harvard desenvolveram um estudo que diz que criar um ritual antes de comer qualquer coisa faz com que sua comida ganhe um sabor extra. E pra provar eles convidaram 26 voluntários para comer uma barra de chocolate. Mas antes de abocanhar o doce eles deveriam, sem desembrulhá-lo, quebrar a barra na metade. Só então poderiam desembrulhar uma metade e comer – e, em seguida, fazer o mesmo com a outra parte.Outros 26 convidados ganharam a mesma barra de chocolate, mas não precisaram fazer nenhum ritual antes de comê-la.

Depois de concluir essa difícil tarefa, cada participante preencheu um questionário para contar quanto havia apreciado o doce. E o pessoal do ritual gostou bem mais do chocolate do que os outros. É que, dizem eles, tirar e postar fotos do prato antes de comê-lo aguça sua percepção sobre a comida e o sabor dela

Quer dizer que se eu postar uma foto de bosta no Instagram e depois comê-la eu vou sentir gosto de estrogonofe com batata-palha?

Explica essa, Freud.

Gostou? Então segue a gente no twitter.

Pessoas com bundas grandes vivem mais, aponta estudo

image

Os pesquisadores da Universidade Oxford avaliaram uma porção de outros estudos sobre a relação entre a gordura acumulada na parte baixa do corpo(ou seja, bumbum e coxas) e a saúde. E, olha só: segundo a pesquisa, ter bunda e coxas grossas diminui o nível do colesterol ruim e aumenta o nível de colesterol bom, que ajuda a proteger as artérias.

É que a gordura que fica nessa região prende partículas adiposas nocivas – e libera outras saudáveis. Além disso, essa gordura leva mais tempo para ser eliminada. E isso pode parecer ruim para quem quer deixar as pernas mais finas. Mas, na verdade, essa lentidão faz com que o corpo produza uma quantidade menor de citocinas inflamatórias, associadas a doenças cardíacas ediabetes.

Só não funciona se a barriga também estiver com excesso de gordura. Ainda não se sabe exatamente o motivo, mas pessoas barrigudas correm mais risco de morrer por conta de problemas cardíacos.

Então quer dizer que a Nicki Minaj é imortal?

Explica essa, Freud.

(via: Super Interessante)

Gostou? Então segue a gente no twitter

Homens pobres são os melhores namorados, aponta estudo

image

Um recente estudo publicado no jornal científico americano “Psychological Science”, afirmou que são os homens com menos recursos financeiros que dão maior prioridade para os relacionamentos.

Além disso, a pesquisa revela ainda que as pessoas que buscam uma relação com homens bens de grana são muito mais propensas a sofrer traições, serem infelizes no relacionamentos e tomar o tão temido pé na bunda.

Isso contraria toda uma teoria de que mulher gosta mesmo é de dinheiro.

Explica essa, Freud.

(via: Uol)

Gostou? Então segue a gente no twitter

Deprimido por ganhar muito, indiano pede demissão do emprego

image

É amigos, realmente não está fácil pra ninguém.

Um programador indiano resolveu pedir demissão do emprego em Bangalore por um motivo inusitado: ele se sentia culpado por receber um alto salário. Com oito anos de experiência na área de TI, ele recebia 40 mil rúpias por mês (cerca de R$ 1400).

Para efeito de comparação, o salário mínimo na Índia é de R$ 107. A culpa pelo alto salário para os padrões indianos levou o homem à depressão. Ele está fazendo tratamento médico com um psiquiatra para resolver esse problema.

No entanto, outra comparação pode ajudar o indiano a superar esse estado de tristeza. Segundo especialistas ouvidos pelo jornal Mumbai Mirror, um profissional com esse tempo de carreira em TI deveria receber 60 mil rúpias (cerca de R$ 2100).

Explica essa, Freud.

Gostou? Então segue a gente no twitter

Após 17 anos inglesa descobre não ter vagina

image

Jaqui Beck, uma inglesa de 19 anos de idade teve um choque ao descobrir, em 2011, que não tinha vagina. Médicos identificaram na adolescente uma síndrome rara chamada MRKH (sigla para Mayer-Rokitansky-Küster-Hauser) quando ela comentou nunca haver menstruado, segundo o jornal “Daily Mail”.

A inglesa tem ovários, mas não tem útero nem a vagina formada. A dificuldade para identificar o problema é alta pois o órgão genital tem aparência externa normal. Ela foi ao médico por estar com fortes dores no pescoço. Ao fazer o exame completo, descobriu a sua condição de portadora da síndrome de MRKH.

Segundo a médica, ela nunca poderá engravidar e terá que passar por cirurgia caso queira manter relações sexuais. Como ela nunca havia tentado fazer sexo, não descobriu o problema: se tentasse, não conseguiria, pois ela tem apenas um pequeno orifício na vagina. A doença afeta uma em cada 5 mil mulheres no Reino Unido.

Jacqui faz tratamento no no Queen Charlotte and Chelsea Hospital, em Londres, especializado na condição. Os médicos estão tentando estender seu canal vaginal com dilatadores - caso a alternativa não funcione, ela terá de passar por uma cirurgia. Ela quer tornar seu caso conhecido para que outras garotas não sofram como ela.

Explica essa, Freud.

Gostou? Então segue a gente no twitter

(via Yahoo!)